Há dois meses o Sincavidro passou a ser uma entidade filiada à Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) e, portanto, coparticipante de um estudo sobre o comércio que inova em profundidade e abrangência, denominado Mapa Estratégico do Comércio 2014-2020.
O mapa foi apresentado a empresários fluminenses, incluindo representantes do ramo vidreiro, no dia 17 de outubro, no Copacabana Palace – zona sul da cidade do Rio de Janeiro. O lançamento contou com uma palestra proferida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
A iniciativa de produção do Mapa do Comércio foi da Fundação Getulio Vargas. A instituição fez uma detalhada radiografia do setor no País, abordando 28 temas prioritários, que vão desde a simplificação e redução da carga tributária, passando pela ampliação do acesso ao crédito, até a proteção às micros e pequenas empresas.
Fruto de um esforço dos empresários que integram a diretoria da Fecomércio-RJ e que foram chamados a colaborar – trazendo sua visão, experiência e liderança na sociedade –, esta ação faz parte de uma agenda estruturada, cujo objetivo é estimular um debate sistemático sobre políticas estratégicas de fortalecimento do setor de comércio.
“O Mapa Estratégico cria uma nova relação com o Poder Público. Outros setores têm mais espaço nos três níveis de governo”, afirmou o presidente da Federação do Comércio do Rio de Janeiro, Orlando Diniz, a uma plateia de mais de 500 empresários.
Lula, convidado especial da Fecomércio-RJ, falou no evento sobre o crescimento do Estado e do País, atribuindo grande parte desse desempenho ao desenvolvimento do comércio. O ex-presidente destacou o papel do setor para as políticas governamentais de desenvolvimento econômico com inclusão social e voltou a convocar a participação dos comerciantes. “O Brasil pode fazer no século 21 o que não fez no século 20; mas precisamos de vocês, empresários”.

  Comércio – motor da economia
O estudo realizado pela FGV mostra um cenário até então pouco conhecido, em que fica evidenciado o papel do comércio como motor da economia brasileira. Para se ter uma ideia, o valor adicionado bruto do setor cresceu 4,5%, em média, entre 2002 e 2012; enquanto a expansão média do Produto Interno Bruto (PIB), no mesmo período, ficou em 3,6%.
Em 2011, o País somava quase 5 milhões de estabelecimentos comerciais, com impacto em outros 56 setores da economia. Na internet, as vendas do comércio eletrônico mais que triplicaram entre 2008 e 2012, passando de R$ 8,2 bilhões para R$ 28 bilhões. No total, o comércio emprega mais de 40 milhões de pessoas – quase metade dos trabalhadores brasileiros em atividade.
O Mapa Estratégico do Comércio destaca a educação básica, a capacitação do empresário e do trabalhador como essenciais para a evolução do setor. Entre as propostas, estão a promoção de diretrizes curriculares voltadas para o mundo do trabalho, o estímulo para que empresários busquem formação em áreas como finanças e gestão, e a ampliação dos programas de capacitação profissional. Três temas ligados à infraestrutura são apontados como prioritários: logística, telecomunicações e energia elétrica.
“O Mapa passa a ser um instrumento que fornece a estratégia para o planejamento e indica as ações a serem executadas”, assinalou o presidente da Fecomércio-RJ, Orlando Diniz. “O setor de comércio é o mais usado pelos demais setores”, afirmou, por sua vez, o coordenador do estudo pela FGV, Fernando Blumenschein.
O evento contou com a presença do Governador do Rio, Sérgio Cabral; do vice-governador, Luiz Fernando Pezão; do senador Lindbergh Farias (PT/RJ); e do superintendente-executivo de Esportes do Comitê Olímpico Brasileiro, Marcus Vinícius Freire.