Como toda a economia, o setor vidreiro deve ter uma contração em todo ano. O PIB Brasileiro deve ser negativo em torno 2,5% a 3 % , já há quem fale em 4% e não acho que teremos ajudas externas pois a economia no mundo também não está em expansão.
A incerteza quanto às atitudes do governo são grandes. No primeiro trimestre teremos que enxugar todos os gastos, cortar custos e aprimorar nossos conceitos de gestão.
Devemos, dentro do possível, tentar tirar proveito da situação para tornarmos nossas empresas mais competitivas, mas, infelizmente, estamos de mãos atadas e não temos força para mudar esse cenário.
Mas, como tirar proveito dessa situação? Estamos em uma boa hora para dialogar com nossos funcionários e buscarmos um melhor entrosamento que reduza e minimize desperdício, melhore o desempenho e a produtividade das empresas.
O  consumo per-capita de vidro no Brasil é baixo e não entraremos em uma estagnação por muito tempo. Os transformadores de vidros possuem uma boa estabilidade e aqueles que estão mais apertados são os que fizeram investimentos, e isso deve exigir, temporariamente, um esforço maior.
Gostaria de salientar que o momento é de muita calma e reflexão. Vamos entender que o mercado encolheu e crescer com a prática descontrolada de descontos pode ser fatal. Lembrem-se que nossos clientes passam pelo mesmo problema  e, de uma maneira ou de outra, dependemos deles.
Espero que este ano passe logo para ver se em 2017 podermos  ter um ano melhor.