Dizem os velhos sábios que só é necessário um minuto para se simpatizar com alguém; uma hora para aprender a gostar desse alguém; um dia para que esse alguém os faça falta e… o resto da vida para que consigamos esquecê-lo.
Portanto, o maior mistério que guarda todas as sabedorias do universo é incomparavelmente pequeno se comparado com uma grande e velha amizade.
Diz uma lenda árabe que dois amigos viajavam pelo deserto e num determinado momento, por alguma razão, se envolveram numa grande discussão que só terminou quando um deles deu um violento tapa no rosto do outro.
O amigo agredido e magoado sem nada poder fazer, apenas debruçou-se sobre a areia e escreveu: “hoje, o meu melhor amigo, sem nenhuma razão, me deu uma bofetada no rosto”.
Seguiram viagem e chegaram a um oásis onde aproveitaram para desfrutar de um refrescante banho. O amigo que fora agredido, rapidamente, entrou na água e imprevidente começou a se afogar. O outro, atento, largou a tarefa de amarrar os camelos, se precipitou na água e tratou de socorrer o amigo em apuros.
Ao recuperar-se, o rapaz que quase morrera pegou um canivete afiado e sobre uma pedra lisa escreveu: ” hoje o meu melhor amigo salvou a minha vida”.
Intrigado o outro perguntou: “Por que depois que te magoei e te agredi, registrastes tudo na areia e agora, fizeste questão de fazer o registro na pedra?”
Sorrindo o amigo respondeu: “Quando um grande amigo nos ofende, devemos escrever onde o vento do esquecimento e o perdão se encarreguem de apagar a lembrança. Contudo, quando nos acontece algo bom e grandioso, devemos gravar isso na pedra da memória do coração, onde vento nenhum em todo mundo terá forças para apagar”. °