O vidro e suas diferenças

O vidro e suas diferenças

Temos falado muito sobre generalidades e alguns leitores reclamaram que eu abandonei um pouco o nosso segmento. Confesso que concordo. Mesmo considerando que o tema “vendas” abrange um generoso universo, onde diversas situações se encaixam, devo admitir que o vidro possui algumas peculiaridades que merecem registro. Nessa edição, abordaremos seis fatores que tornam o vidro tão diferente. No próximo mês, voltaremos ao assunto:

  1. No Brasil, o vidro ainda é tratado como produto imperecível. Se o prédio durar 50 anos, o vidro vai morrer junto com ele. Raros são os casos de reposição na busca por um produto mais avançado. Portanto, quando você coloca um vidro errado numa janela, suas chances de reparar o erro, ficam próximas de zero.
  2. A desinformação sobre novos produtos, malgrado os esforços das indústrias e das próprias entidades de classe, é empecilho para o aumento do consumo de vidros de maior valor agregado. Considere que quase a metade de todo o vidro produzido no Brasil vai para pequenas obras, reformas e interiores. É justo nesse cenário que a falta de conhecimento se manifesta com maior vigor.
  3. O abismo tecnológico entre fabricantes e processadores e o próprio comércio varejista agrava o problema da informação. Pesquisa feita pelo Sincavidro, anos atrás, mostrava que algumas das maiores vidraçarias do Rio de Janeiro não tinham o conhecimento necessário sobre os vidros produzidos no país.
  4. A característica do vidro dificulta ao leigo a identificação visual do produto. A percepção de que o vidro é simples componente construtivo com a finalidade de separar o interno do externo, ainda se manifesta clara e pujante na mente do consumidor.
  5. Bandeiras de fabricantes, ressalvadas algumas poucas exceções, não se traduzem em motivo de escolha para o consumidor.
  6. As tentativas de fidelização do cliente, seja pelas indústrias de base, seja pelas indústrias de transformação, ainda são tímidas e pontuais. No cenário atual, o vidraceiro compra de qualquer processador e o processador compra de qualquer fabricante. Normalmente o fator determinante que define a relação ainda se concentra no preço.