Filetagem
• Seguir todas as recomendações anteriores (corte, furo e recortes);
• O ângulo de inclinação da ferramenta na usinagem deve ser obrigatoriamente 45º;
•    Inicie o trabalho com granas menores finalizando com granas maiores;
•    Após o processo as peças devem ser lavadas e enxugadas.
Lapidação e Biselamento
•    Utilizar sempre EPI´s;
•    Preferir, para este processo, máquinas operatrizes ao invés do processo manual;
•    O processo deve ser, preferencialmente, refrigerado;
•    Controlar o pH do líquido refrigerante;
•    Caso seja utilizado óleo de corte neste processo este não deve ser agressivo ao espelho;
•    Verificar o posicionamento dos rebolos;
•    Verificar os rodízios da máquina;
•    O toque do rebolo deve ser favorável a pressionar a tinta protetora do espelho sobre o vidro.

Armazenamento
•    Aplicar um protetor de borda, assim que terminar de laborar as peças, a fim de evitar o surgimento de manchas a partir das bordas das peças de espelho. Lembre-se que as bordas e os furos são extremamente sensíveis ao surgimento de manchas, porque podem perder parte da tinta protetora durante os seus processos e nesse caso vale a pena prevenir aplicando o protetor de borda, também, nas bordas dos furos, além das bordas da própria peça;
•    Inclinação de armazenamento entre 4 a 6 graus;
•    Apoiar a borda sobre borracha (material mais macio);
•    Evitar o contato direto entre as chapas (uma boa solução pode ser a utilização de fitilho plástico entre elas);
•    As peças devem ser espaçadas umas das outras para que se evitem danos à pintura das mesmas por fricção de sujeiras de alta dureza, como fragmentos de vidro ou grãos de areia, provenientes do ambiente ou da própria lona de recobrimento. Recomenda-se o uso de intercalantes que não absorvam umidade, macios e que não ataquem os espelhos. Sugestão: espuma de borracha e fitilho plástico;
•    Nunca utilizar jornal ou qualquer outro tipo de papel entre as chapas (esse tipo de material absorve umidade);
•    Não armazenar as peças em contato com a parede ou chão;
•    Armazenar em local protegido do sol, poeira, umidade e isento de produtos químicos;
•    Em ambiente de obra, armazenar longe de outros produtos como cimento, cal e em cavaletes;
•    Colocar as peças maiores atrás, seguindo-se as demais por ordem de tamanho. Proteger os “cruzamentos” das bordas das peças menores com a superfície das peças maiores, com intercalante.

Transporte
•    Transportar sempre enlonado;
•    Não deve existir contato direto entre as peças ou regiões das mesmas, este contato pode provocar riscos a camada protetiva;
•    Verificar as condições da carroceria do veículo;
•    Evitar o transporte com produtos químicos;
•    Amarrar as peças a fim de evitar a movimentação e quebra no transporte;
•    Apoiar o espelho em cavaletes de transporte devidamente preparados;
•    Caso haja peças grandes justapostas, colocar espaçamentos de modo que a flexão do vidro não possibilite que os centros das peças fiquem em fricção durante o transporte;
•    Não transportar peças cujas dimensões sejam maiores que o cavalete;
•    Nunca transportar peças deitadas.
Seguindo essas práticas, tenho a certeza que o espelho refletirá ao consumidor final não, apenas, o reflexo da sua imagem projetada sobre ele, mas, também, o reflexo da qualidade do produto que teve início, desde a seleção do melhor vidro para ser transformado em espelho, pela indústria produtora de vidros e espelho, até o momento da sua instalação.
O nosso próximo artigo vai apresentar as boas práticas de instalação dos espelhos que são descritas na NBR 15.198.
Conheça, abaixo algumas marcas de espelhos que são disponibilizadas pelas indústrias produtoras de vidros e espelhos no Brasil:

AGC: Espelho MIROX Premium – www.agcbrasil.com
Cebrace: Espelho Cebrace e Mirage – www.cebrace.com.br
Guardian: Espelho Guardian – www.guardianbrasil.com.br
Vivix: Vivix Spelia  – www.vivixvidrosplanos.com.br

Sucesso e abraços a todos!
Até o nosso próximo artigo!