TTR VidrosA Revista Sincavidro mostrará como as empresas fluminenses estão se preparando para o aumento da demanda de vidro, previsto para os próximos anos, no Rio de Janeiro. Nesta edição, falaremos sobre a TTR Vidros, instalada no município de Três Rios, no norte fluminense.

A empresa começou suas atividades, há pouco mais de três anos, com uma linha de têmpera tradicional dotada de forno horizontal e, ainda este mês, espera transferir a produção para três novas linhas totalmente automatizadas.

Segundo o diretor da TTR, Vinícius Silveira Marques, os equipamentos que compõem as três linhas foram produzidos pela empresa alemã Benteler, e são a grande novidade mundial. Por enquanto, só existem duas linhas igual a da TTR em todo o mundo.

TTR VidrosTotalmente computadorizada e automática, a linha de produção da empresa fluminense recebe o vidro para o corte e separa as peças de acordo com o pedido do cliente. As peças que não recebem furações, apenas cortes retos, vão para a linha de caixilho, já as peças que exigem recortes e furações vão para as duas linhas de recortes.

Da mesa de corte automática, as peças seguem por esteiras até as lapidadoras bilaterais que fazem a lapidação dos cantos e depois para os equipamentos automatizados de furação. O sistema de programação é quem distribui as peças para uma das duas linhas por já entender qual está ocupada ou disponível. O ciclo termina com a lavagem dos vidros, que seguem, então, para o forno de têmpera Tamglass, que a empresa já possuía.

TTR VidrosVinicius espera conquistar mercado pela agilidade. Os clientes serão atendidos com qualidade diferenciada e rapidez e poderão consultar como está seu pedido pela Internet, recebendo a posição exata da peça naquele momento da consulta. O empresário explica que optou pelos equipamentos da Benteler depois de avaliar várias opções no mercado mundial. A empresa alemã é especializada em grandes unidades de produção automotiva e recentemente ampliou sua atuação no setor vidreiro do Brasil. A assistência técnica da linha é feita pela própria Benteler com técnicos brasileiros e toda estrutura no Brasil.

A nova linha tem impressionante capacidade nominal de produção (divulgada pela Benteler) de 20 mil m²/mês com turno de 8 horas de trabalho.

Essa capacidade, no entanto, só poderá ser obtida caso a empresa adquira um segundo forno de têmpera. Mas Vinícius disse que vai esperar o aumento da demanda para adquirir outro forno.

Segundo o empresário, que prefere não divulgar o valor total do investimento feito, a decisão por adquirir a nova linha de produção foi resultado do bom momento atual do mercado fluminense e das promessas de crescimento para os próximos anos.