Novas aplicações de vidros estão sendo feitas nas janelas do sótão.

Nesta segunda reportagem com o objetivo de desenvolver o tema “Pequenas Obras, Grandes Soluções”, as atenções se voltam para a Vitemper, representante da marca Blindex localizada na Barra da Tijuca. Atuando há quase 30 anos no setor, a empresa é especializada em obras realizadas em casas de alto padrão da região.

Quem chega ao endereço da Vitemper pode estranhar logo de saída. Ao invés de encontrar uma vidraçaria, o visitante encontra um escritório no sétimo andar de um prédio comercial (ao lado do Barra Shopping). De vidro, somente algumas amostras, mostruários de boxes prontos e alguns kits encostados em um canto. “Optamos pelo escritório por ser mais prático e terceirizamos a entrega dos vidros, já os instaladores são nossos, registrados e formados por nós”, explica Cláudia Brandão Patusco, fundadora da empresa juntamente com sua irmã, Tereza Cristina Brandão.

Novas aplicações de vidros estão sendo feitas nas janelas do sótão.

Para se especializar em casas de alto padrão, a empresa contou com um pouco de sorte e muita dedicação. A sorte foi chegar à Barra da Tijuca em um momento adequado. A vidraçaria acompanhou o crescimento da região e soube aproveitar bem o momento e as oportunidades. Uma dessas oportunidades foi realizar uma obra para o arquiteto Jorge Brezinski, em 1986. O profissional gostou do serviço, contratou a vidraçaria em outras obras e ainda a indicou a várias construtoras. “Hoje, atendemos às principais construtoras especializadas em casas de alto padrão da região e também aos arquitetos mais conhecidos nessa área”, comenta Cláudia.

A proprietária da Vitemper calcula que tenham realizado obras em mais de 300 casas da Barra da Tijuca desde 1986. “Em algumas, fizemos também boxes e espelhos além das janelas e fechamentos”, conta.

O segredo, segundo Cláudia, é procurar atender bem aos profissionais para conquistar a confiança deles. Se algo dá errado é melhor esquecer o lucro e procurar corrigir o problema. “Problemas e coisas que dão errado sempre vão acontecer, o importante é procurar fazer o melhor e assumir a responsabilidade, tentando remediar da melhor forma”, diz, enfatizando que vários arquitetos que deixaram de trabalhar com a vidraçaria acabaram voltando depois de algum tempo.

Hoje, o nível de confiança de alguns clientes com o trabalho da vidraçaria chega ao ponto de alguns acionarem a vidraçaria para o serviço e depositarem o valor combinado por e-mail em uma conta bancária sem ao menos um único encontro na obra.

Novas aplicações de vidros estão sendo feitas nas janelas do sótão.

A reportagem visitou algumas obras e observou certo padrão comum às construções; muitas soluções se repetem em vários locais. Um detalhe que chamou bastante a atenção é a utilização de vidros temperados fixos em locais onde normalmente seriam utilizadas paredes de alvenaria. É o caso de muros, das paredes ao redor da porta principal de entrada e ao redor das janelas dos sótãos. Aliás, essa última solução permite transformar o local em um ambiente agradável, além de despertar a atenção pelo fato do vidro fixo sustentar outra instalação, esta com vidros temperados em janelas de correr.

Nas portas de correr, todo cuidado com segurança é pouco para a Vitemper. A proprietária ressalta que um item que não economiza é em roldanas. A reportagem acompanhou a instalação de uma porta de correr que utilizava oito, em apenas uma peça.

Por fim, uma solução que tem oferecido com boa receptividade aos moradores da Barra é a instalação de vidros com a base fixada logo abaixo do nível das piscinas. Esse tipo de instalação tem sido frequentemente utilizado por moradores que possuem saunas em suas casas. A parte interna, dessa forma, fica protegida do vento e permite banhos com iluminação à noite.

A Vitemper optou por não entrar na “onda” das janelas com abertura total. Cláudia afirma que tem notado a procura pelo produto, mas prefere não se “aventurar” no ramo por achar complexo e não ter confiança ainda nesse tipo de janela. Aos que a procuram, ela oferece a opção do Kit Versatik, da Tec Vidro, o qual possui duas folhas de correr e permite boa abertura do vão, apesar de não ser total. Em muitos casos, pega o serviço. “Convenço o cliente de que a abertura total não serve para nada, pois sempre tem um sofá ou algo que irá dificultar o acesso ou o trabalho de abrir e fechar tudo”, argumenta.

Outras dicas que Claudia passa aos leitores da Revista Sincavidro são de utilizar silicone adequado e de boa qualidade parafusos de latão. “Compro especialmente e substituo os que vêm com os kits, porque aqui na Barra tudo enferruja muito rápido”, conclui.

Novas aplicações de vidros estão sendo feitas nas janelas do sótão.

Sobre a marca Blindex, Claudia diz que é uma das mais fiéis representantes, mas quando se trata de vidros serigrafados, prefere comprar da New Temper devido à agilidade na entrega. “A marca ainda é forte no Rio, mas já foi mais, acho que eles demoraram para retomar a divulgação na fase de mudanças, quando deixaram de produzir eles mesmos os temperados”, comenta.