Um edifício corporativo que mais parece uma jóiaO edifício Porto Brasilis foi vencedor do Prêmio Master Imobiliário de 2012 na categoria Empreendimentos/Comercial com o case “O Primeiro Triple A do Porto Maravilha”. Localizado entre a Avenida Rio Branco e a Rua São Bento, próximo da região central do Rio de Janeiro, é o primeiro empreendimento corporativo da Fibra Experts, braço imobiliário do Grupo Vicunha na capital.

Com sua configuração assimétrica e forma escultural, a torre Porto Brasilis é um indicativo de como poderá ser a arquitetura da região portuária na capital fluminense nos próximos anos. Projetado pelo escritório Pontual Arquitetura, o complexo é um dos primeiros edifícios corporativos concluídos naquela região da cidade, depois que foi renomeada como Porto Maravilha. O projeto de reurbanização inclui a remoção de parte da via elevada que cruza o local, tem conclusão prevista para 2015. Já o trecho da Rua São Bento ganhou piso remodelado, iluminação e novo mobiliário urbano.

Já pronto para utilização, o Porto Brasilis é dividido em dois subsolos, tem uma área total locável de 18.600 m² e mais 19 pavimentos, totalizando 26 mil metros quadrados de área construída.  De acordo com o escritório de arquitetura, o prédio é composto por dois volumes contrastantes, ambos em vidro e com chanfros em pontos estratégicos. Essas características levam a imaginação a fazer um paralelo entre a edificação e a lapidação de pedras preciosas.

Dentro dessa proposta, os sete mil metros quadrados de vidros laminados de controle solar low-e azul de 10 mm fornecidos por uma empresa multinacional, desempenham papel fundamental tantoUm edifício corporativo que mais parece uma jóia no que diz respeito à questão estética, quanto as funcionais. A arquiteta e gerente de Marketing da empresa, Claudia Mitne, explica os diferenciais e detalhes da solução: “Foi uma obra com necessidade de alto desempenho, com baixa reflexão, pela localização do edifício (no centro). A fachada foi composta por dois vidros, um no vão luz e um em frente às vigas, mas que deveriam ter o mesmo aspecto visual. O prédio é composto por dois volumes em vidro. A ideia foi criar um paralelo entre a edificação e a lapidação de pedras preciosas. Dessa forma, a combinação estética, porte e sustentabilidade da edificação tornam o Porto Brasilis um edifício para ser lembrado”.

Um edifício corporativo que mais parece uma jóiaA fachada em pele de vidro deu o caráter escultórico de formas assimétricas. Foi empregado o sistema unitizado ‘structural glazing’, composto por vidros laminados do tipo low-e, de alta eficiência, que impedem a transmissão térmica entre interior e exterior.

A solução, no que diz respeito ao vidro, contribuiu para a conquista da certificação internacional Leed Gold, por cumprir os principais itens referentes à sustentabilidade.

A instalação se completa com uma arcada monumental que demarca o principal acesso ao edifício, revelando ainda expressiva valorização para a Avenida Rio Branco.

Embora o complexo seja caracterizado pela linguagem contemporânea, existiu uma preocupação para que a torre não deixasse de valorizar a paisagem do Rio antigo, refletida nas angulações de suas fachadas.

O empreendimento possui ainda andares projetados com core central, nove elevadores de última geração, sistema avançado de ar condicionado, acessibilidade aos portadores de necessidades especiais e garagem com mais de 100 vagas.