Ron Vaupel, um dos presidentes da Guardian, realiza vistoria da fábrica da Guardian, em Porto Real (RJ).

Ron Vaupel, um dos presidentes da Guardian, realiza vistoria da fábrica da Guardian, em Porto Real (RJ).

[gn_spacer size=”0″]

A Guardian Industries Corp, multinacional norte-americana de vidros e espelhos, uma das líderes neste segmento no Brasil e no mundo, vendeu 44% de sua participação, em dezembro, para a também norte-americana Koch Industries.
A compra foi realizada por intermédio de sua subsidiária, KGCI LLC, sediada em Wichita-Kansas.
Nos últimos anos, a família Davidson, proprietária da Guardian analisou diversas propostas, mas queria que a empresa permanecesse privada e que a nova acionista que comporia o quadro de gestores tivesse uma cultura corporativa similar. Somado a isso, a expertise e a forte presença global da Koch foram decisivas na escolha e efetivação da venda. Para iniciar os trabalhos, já em 1º de janeiro, a empresa empossou Ron Vaupel, ex-presidente da Koch Hidrocarbon Co. LP, como um dos presidentes e membro do Conselho. Além de Vaupel, outros três representantes da Koch passaram a fazer parte do Conselho da Guardian, de um total de oito integrantes.
A Koch Industries é um dos maiores conglomerados privados do mundo, com 60 mil funcionários, tendo gerado uma receita de 110 bilhões de dólares em 2011. Liderada pelos irmãos David e Charles Koch, que detêm uma participação de 84%, a holding inclui,  além da Guardian, a Georgia-Pacific, a fábrica de carpetes Stainmaster Co Invista, a Koch Pipeline. LP, a fabricante de produtos químicos Flint Hills Resources LP, a Koch Fertilizer LLC e a Koch Agricultural Co.
Com esta aquisição, a Koch passa a integrar, juntamente com a família Davidson, o conselho gestor da Guardian, uma das maiores empresas no segmento de vidros e espelhos, presente em mais de 25 países e que emprega 19 mil funcionários.

Guardian Fábrica

A Guardian é uma das líderes no segmento de vidros e espelhos no Brasil.

No mundo, aproximadamente dois terços da receita da Guardian são gerados pelo segmento de vidro. Suas unidades de negócios neste setor incluem construção, energia solar, eletrônicos e automotivos. O faturamento mundial da Guardian, é de € 5,6 bilhões de euros, sendo que o segmento de vidros responde por € 3,3 bilhões desse total. Desse montante o Brasil responde por cerca de 10% do faturamento do Grupo no segmento, o que representa R$ 854,5 milhões.
Atualmente o crescimento anual da Guardian Brasil é de 2 a 3% acima do PIB (Produto Interno Bruto).
Grandes ícones da construção, como o Burj Khalifa em Dubai – o edifício mais alto do mundo – referência da Guardian, pois foram instalados dois milhões de metros quadrados de vidros da empresa.
Para a gestão da Guardian, este novo cenário empresarial amplia sua capacidade de gerar novos negócios. “O investimento da Koch dá sinergia à Guardian e permite acesso a uma extensa cadeia de distribuição, incremento nas estratégias de marketing e em outras diversas áreas”, afirma Scott Thomsen, presidente e CEO mundial do grupo.
“Interessa à Guardian procurar no conglomerado Koch novas áreas com potenciais de inovação”, ressalta Scott, e complementa: “Enxergamos vários campos de alinhamento como cadeia de suprimentos, logística, matérias-primas, etc”.
Esta soma de esforços chega num excelente momento, principalmente para o Brasil, com grandes possibilidades de expansão dos negócios, impulsionado pelo crescimento das obras de estrutura e infraestrutura. Outro ponto é a entrada de novos players no mercado nacional, como a multinacional japonesa AGC e a brasileira CBVP, que exigirão da Guardian uma postura cada vez mais competitiva. Mas, por enquanto, a empresa ainda não definiu as estratégias que serão adotadas a curto e médio prazos.