Cerca de 500 pessoas trabalham diariamente, no terreno de mais de um milhão de metros quadrados da Asahi Glass Company (AGC), situado em Guaratinguetá (SP), para concluir a montagem de uma estrutura de 100 mil metros quadrados, que abrigará a primeira fábrica da empresa japonesa na América Latina.
Nessa primeira fase da obra, algumas etapas importantes já foram concluídas nas últimas semanas de julho, como a concretagem da laje do forno, o início da construção da chaminé e a instalação das colunas. Para evitar o desperdício de material, a AGC firmou uma parceria com o projeto social de Guaratinguetá “Amigos do Lixo”, que faz coleta seletiva no canteiro de obras para a reciclagem.
A construção está dentro do planejamento e a próxima fase consiste na colocação dos telhados para que os trabalhadores possam se dedicar ao trabalho no interior dos prédios, e também receber todo o equipamento necessário para a planta. O custo total da primeira fábrica brasileira da AGC será de R$ 800 milhões.

AGC

Área do futuro forno da fábrica da AGC, em Guaratinguetá (SP) | crédito: divulgação AGC

O início das operações está previsto para o segundo semestre de 2013, mas, a empresa já começou a contratar alguns colaboradores. “Nesse momento, já contamos com mais de 50 colaboradores de diversas áreas, como engenharia, finanças e vendas,” conta o CEO da AGC Vidros do Brasil, David Capelino. As oportunidades de trabalho na AGC estão sendo divulgadas no site www.agcbrasil.com e na página do Facebook www.facebook.com/BrasilAGC.
Quando a fábrica começar a operar, a empresa pretende gerar 500 vagas de trabalho diretas e, para capacitar a mão de obra para a área de produção, a AGC está conduzindo uma parceria com o SENAI. “Boa parte dessa mão de obra, aliás, será treinada em nossas fábricas na Europa e na Ásia e, quando retornarem, terão a missão de replicar aqui todo o conhecimento adquirido”, acrescenta Capelino.
A planta terá capacidade para produzir 600 toneladas de vidro por dia. E a previsão é de que, até 2016, a fábrica atinja a marca de 220 mil toneladas de vidro produzidas por ano, para a construção civil. Além disso, a AGC deve produzir vidro automotivo para mais de 500 mil carros por ano, até 2016.
Mesmo sem a fábrica pronta, a AGC já está comercializando vidros aqui no Brasil. Isso porque em maio foi montado um Centro de Distribuição em Guarulhos (SP), que atende os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, com capacidade para estocar quatro mil toneladas de vidro importado da Europa e outros continentes.
“Nesse momento, temos pronta entrega de produtos e soluções em vidro float (incolor, extra claro, verde, bronze e fumê), vidro para arquitetura e fachada (controle solar e/ou isolamento térmico), vidro para interior e design (espelho e vidro pintado) e vidro de segurança (laminado)”, enumera Capelino. E, ainda neste segundo semestre, a fabricante promete lançar um produto único e inovador para o mercado brasileiro.