Andrea Parreira

A arquiteta Andréa Parreira decorou a varanda com a finalidade de criar um espaço gourmet, ideal para receber os amigos e promover refeições.

Muitos moradores de prédios residenciais estão optando por fecharem suas varandas para aumentar o espaço da sala ou até mesmo criar uma área de convivência mais agradável. Essa tendência vem abrindo muitas possibilidades para os vidraceiros, já que o material indicado para esses casos é o próprio vidro.
A Vidraçaria Santa Catarina, tradicional empresa fluminense, atuante há 41 anos no mercado, começou recentemente a trabalhar com o fechamento de sacadas, há apenas dois anos. Isso porque quando o sistema começou a ser solicitado no Rio de Janeiro, Jorge Luís Cormack, o proprietário da vidraçaria, foi atrás de um fornecedor de São Paulo, mas como não gostou muito da qualidade do produto, optou por esperar até que os fabricantes dos kits se desenvolvessem um pouco mais antes de começar a fornecer esse serviço para os consumidores.
Hoje, a empresa faz o envidraçamento de, em média, seis sacadas por mês. “Utilizamos vidros temperados Blindex 8 mm para sacadas, e 10 mm para vidros mais altos”, conta Cormack. Entre as vantagens do envidraçamento de sacada estão isolamento térmico e acústico, além de proteção contra vento e chuva.

Santa Catarina

A varanda desta casa em Niterói foi envidraçada em janeiro, pela Vidraçaria Santa Catarina. O vão maior tem 6 m de comprimento, que somados com o balcão da churrasqueira somam 12 m.

O sistema usado pela Vidraçaria Santa Catarina é fornecido pela empresa Barravento. Uma companhia especializada no envidraçamento de sacadas, fundada há mais de 11 anos, no Espírito Santo. “Iniciamos com venda ao cliente final, e depois de milhares de obras, transformamos em franquia para aumentar as possibilidades de negócios”, conta Cláudio Bolsanello, diretor comercial da companhia. Hoje a empresa tem 107 franqueados, formando a maior rede das Américas neste seguimento.
Bolsanello conta que a procura pelo envidraçamento de sacadas no Brasil começou com uma explosão de consumo no Espírito Santo. Com quatro anos de existência, a Barravento já havia instalado seis mil obras. “No momento a aceitação é máxima em todas as regiões do Brasil, pois transferimos não só conhecimento técnico e bons produtos, mas atuamos também nas técnicas e ferramentas de prospecção e venda, despertando o cliente final a imaginar sua sacada envidraçada”, comenta.

Centro de Treinamento

Turma de outubro acompanha as aulas de envidraçamento de sacadas no Centro de Treinamento da Barravento, que fica na sede da empresa, em Vila Velha (ES).

Cormack conta que ao mesmo tempo em que aumentou a procura pelo envidraçamento de sacadas também aumentou a concorrência, o que dividiu o mercado consumidor. A fim de garantir a qualidade de seu serviço, o proprietário da Vidraçaria afirma que além de seguir as normas dos fabricantes, ele procura manter a equipe de montagem constantemente atualizada, com treinamentos, pois os desafios são diários. “Não existe nenhum projeto igual ao outro, cada um tem suas dificuldades de abertura, fixação, etc”, afirma.
Entretanto, Cormack recorda-se da varanda de uma casa, em Niterói, a qual sua empresa foi contratada para fazer o envidraçamento em janeiro deste ano. Ele considera que, até hoje, este foi o projeto mais desafiador que eles enfrentaram. A sacada tinha 2,5 metros de altura e 6 metros de comprimento: “a laje ficava em balanço e o peso da instalação poderia comprometer o funcionamento. Então, foi feita a estruturação com tubos de alumínio e o resultado ficou muito bom”, conta o proprietário da vidraçaria.