Vidro Limpo

A Vidro Limpo recolhe cerca de mil toneladas de vidro por mês para reciclagem.

Que o vidro é um material 100% reciclável, todos sabem, porém o que pouco se explica é como se dá sua transformação dentro do processo de reciclagem. A Revista do Sincavidro foi conhecer mais de perto como funciona esse mercado político e ecologicamente correto, que além de preservar a natureza, gera empregos formais.
A cada 40 dias a Vidros Belém descarta cerca de cinco toneladas dos mais variados tipos de vidros, que são doados para uma empresa de reciclagem: a Vidro Limpo, que se encarrega da separação e transporte do material. A Vidraçaria Paris, Laminar e Saint Germain também adotaram essa prática e estão colaborando para uma produção mais sustentável.

Vidro Limpo

Os funcionários fazem o trabalho de coleta, classificação, estocagem e beneficiamento.

A Vidro Limpo surgiu há quatro anos, a partir da ideia e visão de futuro de seu fundador, Joir Marques, que já trabalha no ramo de sucata de vidros há 33 anos. Atua na baixada-fluminense, zona sul, zona norte e zona oeste. Por mês a empresa recolhe aproximadamente mil toneladas de vidro.
O negócio prosperou e o neto de Joir, Diego Oscar Pacheco de Araújo, tornou-se gerente e segue com ele no comando da empresa. A Vidro Limpo emprega 15 funcionários fixos, mas em épocas de grande demanda também contrata temporários. Muitas dessas pessoas já foram catadores de lixo no passado. Hoje possuem além de uma renda fixa, perspectivas de uma vida melhor.
De acordo com Diego, cabe aos trabalhadores basicamente a coleta, classificação e estocagem quanto ao tipo (branco, misto ou laminado), beneficiamento do caco misto, que consiste na limpeza e retirada de pedras e refletivos; além da moagem do vidro laminado, quando se dá também a separação do plástico.
O gerente explica como funciona esse mercado: “Nosso caco é vendido para empresas de embalagens e também para produção de microesferas de vidro. O nosso material não pode voltar para as fábricas devido a uma politica de compra, na qual elas só compram de seus clientes.”.

Vidro Limpo

Joir Marques, fundador da Vidro Limpo, ao lado do neto Diego de Araújo, que seguirá no comando na empresa.

A Vidro Limpo fornece para a Owens-Illinois e Potters, porém, segundo o gerente, ainda existe um mercado muito grande no ramo de cerâmicas a ser explorado fora do estado do Rio de Janeiro. Ao ser questionado sobre como é cotado o valor da tonelada, Diego diz que não existe nenhuma tabela e que o valor é estipulado pelas empresas compradoras, o que acaba gerando uma discrepância muito grande no mercado. “Algumas empresas ainda cobram pela sua sucata, mas depois que muitos catadores saíram da informalidade, a grande maioria se sensibilizou e passou a fazer doações. No caso do vidro laminado, a empresa cobra pela retirada, pois é uma reciclagem com custo alto e preço baixo”, complementa o gerente.
De acordo com a empresa, o vidro branco é reciclado em toda a sua totalidade. Já do misto se reaproveita 85% e do laminado 70%.
Não existem indicadores a respeito da reciclagem de vidro plano no Brasil. A Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas de Vidro  (Abividro) informou que boa parte do vidro volta para o forno de fusão como matéria-prima e que essa reciclagem pode ser para fabricação de vidro plano, embalagens e outros artigos, o que dificulta a obtenção de dados estatísticos. Ainda de acordo com a entidade, boa parte dos cacos ou retalhos tem destinação correta, pois a logística reversa funciona dentro da própria cadeia produtiva.