Nada pior do que uma depressão para se fugir de uma crise. Crises sempre foram, são e serão passageiras. Elas maltratam, doem, incomodam, mas são inerentes ao processo evolutivo das empresas e dos homens. Tratá-las com cuidado é exercício de juízo e competência. Enfrentá-las com medo é prenúncio de covardia e despreparo.
Como já disse, elas vêm e vão. Tal quais as marés, se elas nascem com a força das grandes ondas, cedo ou tarde, se transformam em inocentes espumas.
Quem entende isso, supera, trabalha se reinventa e não se deprime.
Pois mês de novembro, dois setores vieram comprovar a tese. O segmento vidreiro fez um evento que reuniu a nata das empresas brasileiras do setor e transformou o 12º Simpovidro num marco histórico para todo o segmento. Aliás, os “Simpovidros” já se tornaram tão incorporados ao universo vidreiro que, garanto, já começou a contagem regressiva para o próximo. Sucesso total!
Para completar a AFEARJ, no mesmo fim de semana, não se intimidou com o mau humor do mercado e realizou a sexta edição do Alumeeting. Particularmente, muito lamentei que a coincidência de datas me impedisse de estar no evento que a associação dos fabricantes de esquadrias realizou em Mangaratiba.  Mas, quero parabenizar ao presidente Amandio Nascimento pelo êxito retumbante do encontro.
Então a lição foi dada. Sabemos e conhecemos as reais dimensões das dificuldades que enfrentaremos nesses próximos meses. Talvez tenhamos que reorganizar nossas estratégias, é possível que sejamos forçados a adiar alguns dos nossos sonhos, mas, nada que não possa ser recuperado um pouco mais a frente. Apenas, uma questão de paciência.
Do resto é dar os parabéns aos amigos Alexandre Pestana, presidente da ABRAVIDRO, e Amandio Nascimento, presidente da AFEARJ, por terem demonstrado que, por mais que os pessimistas não acreditem, a vida continua. Simples assim.